Alerta vermelho: estamos falhando no ensino da criatividade

Celso Niskier

Celso Niskier, Vice-Presidente do SEMERJ e Diretor presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES)Reitor do Centro Universitário UniCariocaoca

24/06/2024 06:00:01

Que os estudantes do Brasil não costumam ir bem nas avaliações internacionais de desempenho não é novidade. Entra ano e sai ano, somos confrontados com dados que nos colocam frente à baixa qualidade da educação ofertada nas escolas do país ou, sob outra perspectiva, à pouca absorção do conteúdo trabalhado nas salas de aula. Chama a atenção, contudo, uma nova constatação: a de que a criatividade dos nossos alunos está entre as piores do planeta.

Tendo como base os dados coletados no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) 2022, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou, na semana passada, o estudo Mentes criativas, escolas criativas, no qual avalia a capacidade de pensamento criativo dos estudantes com 15 anos de idade. Esta foi a primeira vez que essa característica foi avaliada.

Entre os 57 países membros e parceiros da entidade, o Brasil ficou na 44ª posição, com 23 pontos de média. Segundo o levantamento, 54,3% dos estudantes brasileiros apresentaram baixo nível de criatividade quando desafiados a resolver problemas sociais e científicos. Entre as nações que integram a OCDE, a média foi de 33 pontos (em uma escala que chega a 60 pontos).

Mas, como é possível esse resultado para um país conhecido e reconhecido por sua extrema criatividade? Seja nas artes, nos esportes ou na busca por soluções para os desafios do cotidiano, brasileiro é sinônimo de criatividade. Ou não somos tão criativos quanto imaginamos ou há uma desconexão profunda entre a escola e as demais esferas da sociedade. Pelo o que indica o estudo da OCDE, esse é mais um avanço que precisa se dar no contexto da educação brasileira.

A compreensão de que criatividade é uma competência que pode ser desenvolvida pelo indivíduo (para além do dom natural) e ensinada na escola não é algo novo. Inclusive, a inserção de práticas pedagógicas capazes de contribuir para o aperfeiçoamento de habilidades comportamentais tem se destacado entre os esforços para a construção de uma educação conectada com as demandas e especificidades deste século 21. A reforma do ensino médio no Brasil é um exemplo claro desse cenário. Contudo, o estudo da OCDE mostra que ainda estamos distante do ideal.

É compreensível que quando não se tem domínio sobre determinado assunto a pessoa não consiga propor alternativas, muito menos criativas, envolvendo-o. Nessa linha, os resultados alcançados pelo Brasil no Pisa 2022 em matemática, ciências e leitura já davam um indicativo claro de que o desempenho não poderia ser muito diferente ao se analisar aspectos e habilidades comportamentais dos estudantes.

Entretanto, não se pode acreditar que a melhor absorção dos conteúdos por si só será suficiente para equacionar a questão da criatividade. O país precisa rever sua política educacional de modo que os currículos trabalhem a criatividade de forma transversal em todas as disciplinas, estimulando nos alunos a busca por desafios e soluções para problemas concretos. Além disso, as instituições de educação superior precisam se tornar espaços de soluções criativas.

Trata-se de uma medida essencial porque vivemos uma realidade na qual há o risco concreto de a inteligência artificial vir a substituir até mesmo os trabalhos mais criativos. Nesse sentido, a criatividade é uma habilidade que precisa ser estimulada para que as novas gerações sejam capazes de seguir criando soluções tecnológicas e também para tornarem os profissionais relevantes em um mundo no qual a IA pode acabar tirando a relevância de várias carreiras.

Assim, o estímulo ao pensamento criativo deve ser uma preocupação de todos. Em tempos tão desafiadores e disruptivos, não há mais espaço para uma educação voltada para a mera apreensão do conteúdo formal. A criatividade é uma demanda da sociedade contemporânea, e precisa estar contemplada nos espaços escolares e acadêmicos. Pensar fora da caixa deixou de ser opção.